quinta-feira, 1 de junho de 2017

Tema de Redação Bahiana 2017

Suicídio
Texto I

O número de estudos científicos sobre o suicídio nas ciências humanas, na estatística, na bioética e na neurociência cresceu de modo considerável. Nos tempos modernos, sob o olhar das ciências, o julgamento moral e as penalidades legais e religiosas em torno do ato suicida deram lugar à constatação de um problema científico. (Botega, Neury José. Crise suicida (Locais do Kindle 6396-6398). Edição do Kindle.)
Texto II

Texto III
Enquanto o suicídio segue sendo um assunto sobre o qual se fala pouco, o número de pessoas que tiram a própria vida avança silenciosamente. No Brasil, o índice perde apenas para homicídios e acidentes de trânsito entre as mortes por fatores externos (o que exclui doenças). Em todo o mundo, entre os jovens, a morte por suicídio já é mais frequente que por HIV. Entre idosos, assim como entre pessoas de meia-idade, os índices também avançam.
Falar de suicídio, na maioria das vezes, é falar de depressão. Falar de depressão, no entanto, não necessariamente é falar de suicídio. (http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/suicidio-e-preciso-falar-sobre-esse-problema.ghtml)
Considerando a leitura dos textos e suas reflexões a respeito da questão como um problema de saúde pública, escreva um texto dissertativo-argumentativo sobre o desafio do profissional médico lidar com o suicídio em sua prática médica, considerando as situações de atendimento e os desafios dos grupos sociais que estão em vulnerabilidade para a questão.
Redação modelo 1

13 razões
No perpassar da história, a temática do suicídio sempre esteve atrelada à vida humana. De um lado, a difícil tarefa de viver com as adversidades que compõem a existência e, do outro, o guardador da vida, desafiado pelos números cada vez maiores de pessoas que, em suas crises existenciais, não conseguem superar os obstáculos, precisa de uma formação para lidar com a vulnerabilidade para o suicídio.
Pecado mortal na Idade Média, heroísmo para Sansão, grandeza de espírito para os filósofos como Sócrates que preferiram a morte a render-se, o ato de tirar a vida sempre esteve presente na história da humanidade. Na esteira desse processo, estão discussões como liberdade, envelhecimento e amores permeando a linha tênue entre a morte e a vida. Assim, eternizada pela literatura como Romeu e Julieta ou, na contemporaneidade com as polêmicas fitas de Hanna na busca de explicar o “ porquê? ”, a questão do suicídio envolve-se em ambivalência e é objeto dos humanos seres com o poder da escolha entre vida e morte.
Para além do motivo está o papel do médico que lida hoje com um problema tão crescente que se transformou em questão de saúde pública. Segundo estimativas da ONU foram 800 mil mortes em 2015, um número que equivale a um suicídio em algum lugar do planeta a cada 45 segundos. Por isso, essa problemática deve ser abordada com seriedade e indica um alerta para os fenômenos psicossociais complexos da sociedade líquida pós-moderna que vem dizimando jovens e adultos e desafiando o médico a voltar sua prática para aspectos que o estetoscópio não é capaz de mensurar.
Edwin Shneidman, pai da suicidologia, defende que a vitória sobre o suicídio decorre do atendimento das necessidades psicológicas do indivíduo, do amparo social e fuga da situação que gera no individuo o desejo de ceifar sua vida. Partindo dessa verdade é preciso conscientização da população associada à divulgação responsável da mídia e programação nas escolas para o debate da questão. Os herdeiros de Hipócrates precisam atuar construindo redes de proteção psicológicas e sociais para os seus pacientes em associação com uma prescrição ponderada de psicofármacos e psicoterapia. Somente assim, as razões serão equacionadas como obstáculos e não como motivos para o fim da equação do viver.

Redação modelo 2
Sobre pedras e cicatrizes
A temática do suicídio possui natureza dilemática, complexa e multidimensional. Nesse sentido, a construção de uma percepção sobre a questão exige permeabilidade do profissional de saúde para garantir um contato empático a fim de assegurar uma genuína aliança terapêutica. Além disso, o fortalecimento de fatores de proteção que se encontram enfraquecidos ou ausentes é uma valiosa ação dos cuidadores da vida.
Poucos profissionais de saúde são capazes de amparar pacientes mergulhados em crise suicida pela exigência da combinação de conhecimento com intuição, experiência clínica com a serenidade da escuta e prontidão para agir aliado à proteção ao paciente. Dentre os desafios clínicos está o caso dos adolescentes – grupo social propenso ao imediatismo e impulsividade e que não possui maturidade emocional para lidar com estresses agudos. Portanto, para além de algo abstrato e desconfortante é preciso entender a questão como propôs Shakespeare em Hamlet: como dilema humano.
Em 1610 John Donne escreveu Biathanatos, primeiro livro inglês abordando a temática do suicídio. Nele e em muitas obras posteriores como a de Freud e Durkheim, o suicídio aparece como uma dimensão social. Essa visão precisa permear a prática do profissional que deve lidar com a questão através de uma conversa clara com o paciente e seus familiares ao mesmo tempo em que busca tecer um ambiente de compreensão e apoio para o ser assistido. Assim, esse encontro terapêutico deve ser entendido como linha para a vida.
O suicídio é como uma pedra posta no caminho da vida. Ela bloqueia a capacidade de pensar e faz o indivíduo parar na estrada da existência. Cabe ao médico ajudar esse ser a enxergar a pedra para ser capaz de carregá-la ou tomar distância e mapear o terreno em busca de atalhos. Isso se dará através de um atendimento fundamentado num olhar holístico com o sentido de acolher o paciente mantendo-o em segurança e garantindo que a prescrição de psicofármacos e psicoterapia aconteçam em consonância com o fortalecimento das proteções sociais dos pacientes em vulnerabilidade.  Assim, o caminhante poderá dar mais passos e as razões para a morte transformar-se-ão em cicatrizes da vida. (Equipe Eu Quero Passar)

Admirável Mundo Novo
 De Sócrates a Robin Williams, o suicídio é uma prática recorrente na história da humanidade, possuindo natureza dilemática, complexa e multidimensional. No despertar do século XXI, surge a necessidade de se revisar o papel do médico frente a esse fenômeno. De um lado, a formação clínica voltada à auto exigência do curar, aliada aos estigmas relacionados ao suicida, dificulta um diagnóstico preciso. Do outro, a abordagem centralizada exclusivamente na medicação impede a formação de uma genuína aliança terapêutica.
 “Quem quer se matar, se mata mesmo”.  Essa máxima social compartilhada, associada a ideia de que o médico é um salvador de vidas, desprepara o profissional para enfrentar a prática do suicídio e o conduz ao imobilismo terapêutico. Nesse sentido, segundo Dráuzio Varella, é preciso que o clínico abandone a autoexigência do curar e seus preconceitos, de modo a se colocar integralmente à disposição do paciente suicida em potencial, construindo com este uma parceria. Assim, o operador de saúde é uma peça fundamental na construção de uma rede de suporte para superação da crise.
De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, somente no Brasil, a cada 100 casos de suicídio, 75 são reincidentes. Esse índice exacerbado se dá, sobretudo, devido ao olhar médico restrito a prescrição de psicofármacos. Nessa seara, um estudo realizado pela UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) identificou que em quase 90% dos atendimentos de casos envolvendo indivíduos que atentaram contra a própria vida, a primeira e às vezes única intervenção foi a medicamentosa. Desse modo, o controle do episódio torna-se apenas momentâneo e tende a se repetir.
 Na distopia “Admirável Mundo Novo”, Aldous Huxley introduz o leitor a uma sociedade cujas emoções são controladas através de drogas. Em sentido contrário a obra, a atuação do médico na questão do suicídio deve ser holística, pautada no acolhimento, controle da situação, orientação da família, internamento e apenas um último caso a prescrição de psicofármacos. Apenas assim, o profissional de saúde poderá construir uma aliança terapêutica eficaz e duradouro. Para que ele chegue a esse discernimento faz-se preciso uma formação pautada em princípios humanísticos e com projetos educacionais que coloque o vocacionado diante de realidades capazes de produzir uma formação cujo pilar seja o homem em suas dimensões. (Rafael Calheira)



Redação Bahiana 2017 - Glossário de Ciências Médicas

Um grande diferencial para quem vai fazer o vestibular da Bahiana ou qualquer outro que envolva previamente o conhecimento de ciências médicas é fazer uma abordagem no seu texto utilizando referências que demonstrem domínio da questão.
No nosso curso, os alunos recebem oficinas de reflexões temáticas e de linguagem médica para desenvolver o uso conceitual da questão em seus textos.  Como presente para vocês segue aqui, em forma de glossário, algumas questões que pode ser incorporada ao seu texto.
Quer um conselho? Utilize cada segundo da sua tarde de hoje remodelando a linguagem do seu texto. Não precisa ficar truncando ou muito rebuscado. Ela deve soar natural.
Não precisa explicar o conceito. Quando você utiliza termos como “fome”, “desigualdade”, “competência” em sua redação você explica?
Não!
E não explica porque essas palavras já estão incorporadas ao seu vocabulário. Com ciências médicas faça da mesma forma.
                                                                                            Aproveitem e boa redação!


A –
·         Altruísmo - é quando uma pessoa abnega de si mesma em prol de outras pessoas.
·         Anamnese - (do grego ana, trazer de novo e mnesis, memória) é uma entrevista realizada pelo profissional de saúde ao seu doente, que tem a intenção de ser um ponto inicial no diagnóstico de uma doença ou patologia.
B –
·         Beneficência (Princípio da bioética) - O princípio da beneficência refere-se à obrigação ética de maximizar o benefício e minimizar o prejuízo. O profissional deve ter a maior convicção e informação técnicas possíveis que assegurem ser o ato médico benéfico ao paciente (ação que faz o bem).
·         Biopsicossocial - Relativo a fatores biológicos, psicológicos e sociais. = PSICOBIOSSOCIAL. O modelo biopsicossocial é um conceito amplo que visa estudar a causa ou o progresso de doenças utilizando-se de fatores biológicos (genéticos, bioquímicos, etc), fatores psicológicos (estado de humor, de personalidade, de comportamento, etc) e fatores sociais (culturais, familiares, socioeconômicos, médicos, etc).
C –
·         Código de Ética Médica – Estabelecido pelo Conselho Federal de Medicina, corresponde às normas que, no Brasil, determinam a ética profissional. As organizações de prestação de serviços médicos estão sujeitas às normas desse Código, de modo que a sua transgressão sujeitará os infratores às penas disciplinares previstas em lei.
·         Comunicar-se de forma franca e objetiva, assegurando a transparência e os entendimentos necessários para relações interpessoais e institucionais de qualidade, agregando credibilidade nas relações e respeito mútuo.
D  –
·         Dr. Abel Salazar: “O médico que apenas sabe medicina, nem medicina sabe.”
·         Diagnóstico – Ato de reconhecer uma doença, a partir da anamnese, exames clínicos e laboratoriais.
E  –
·         Empírica – aquilo que é baseado nas experiências.
·         Epidemiologia - é o estudo da frequência, da distribuição e dos determinantes dos problemas de saúde em populações humanas, bem como a aplicação desses estudos no controle dos eventos relacionados com saúde. É a principal ciência de informação de saúde, sendo a ciência básica para a saúde coletiva. Ramo da medicina que estuda os diferentes fatores que intervêm na difusão e propagação de doenças, sua frequência, seu modo de distribuição, sua evolução e a colocação dos meios necessários a sua prevenção.
·         Equidade (Conceitos do SUS) -  Tratar de forma desigual os desiguais, objetivando a igualdade. Exemplo: facilitar o acesso de deficientes físicos às unidades de saúde é tratar de forma desigual os desiguais, mas de forma que todos – portadores ou não de deficiências físicas – consigam esse acesso.
H –
·         Holístico -  Na abordagem holística, o todo e cada uma das partes encontram-se ligados com interações constantes. Como tal, cada acontecimento está relacionado com outros acontecimentos, os quais produzem entre si novas relações e fenómenos num processo que compromete o todo.
·         Homeostase - é a capacidade do organismo de apresentar uma situação físico-química característica e constante, dentro de determinados limites, mesmo diante de alterações impostas pelo meio ambiente.

I –
·         Integralidade (Conceitos do SUS) -  a integralidade está presente tanto nas discussões quanto nas práticas na área da saúde e está relacionada à condição integral, e não parcial, de compreensão do ser humano. Ou seja: o sistema de saúde deve estar preparado para ouvir o usuário, entendê-lo inserido em seu contexto social e, a partir daí, atender às demandas e necessidades desta pessoa. 
P –
·         Práticas Integrativas e Complementares - O campo das práticas integrativas e complementares contempla sistemas médicos complexos e recursos terapêuticos, os quais são também denominados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) de medicina tradicional e complementar/alternativa (MT/MCA). Tais sistemas e recursos envolvem abordagens que buscam estimular os mecanismos naturais de prevenção de agravos e recuperação da saúde por meio de tecnologias eficazes e seguras, com ênfase na escuta acolhedora, no desenvolvimento do vínculo terapêutico e na integração do ser humano com o meio ambiente e a sociedade. Outros pontos compartilhados pelas diversas abordagens abrangidas nesse campo são a visão ampliada do processo saúde-doença e a promoção global do cuidado humano, especialmente do autocuidado. Com a publicação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), a homeopatia, as plantas medicinais e fitoterápicas, a medicina tradicional chinesa/acupuntura, a medicina antroposófica e o termalismo social-crenoterapia foram institucionalizados no Sistema Único de Saúde (SUS).


Participe das nossas turmas e tenha acesso a todo o glossário e a orientações de como utilizá-lo.


segunda-feira, 29 de maio de 2017

Tema de Redação Bahiana 2017

Depressão[1]
Texto I
Para o Dia Mundial da Saúde de 2017, lembrado em 7 de abril, a Organização Mundial da Saúde (OMS) deu início a uma campanha sobre depressão, transtorno que pode afetar pessoas de qualquer idade em qualquer etapa da vida. Com o lema “Let’s talk” (“Vamos conversar”, em português), a iniciativa reforça que existem formas de prevenir a depressão e também de tratá-la, considerando que ela pode levar a graves consequências. Conversar abertamente sobre depressão é o primeiro passo para entender melhor o assunto e reduzir o estigma associado a ele. Assim, cada vez mais pessoas poderão procurar ajuda.

Principais fatos
A depressão é um transtorno mental frequente. Globalmente, estima-se que 350 milhões de pessoas de todas as idades sofrem com esse transtorno.

Depressão é a principal causa de incapacidade em todo o mundo e contribui de forma muito importante para a carga global de doenças. Mais mulheres são afetadas pela depressão que homens. Existem vários tratamentos eficazes para a doença.

A condição é diferente das flutuações usuais de humor e das respostas emocionais de curta duração aos desafios da vida cotidiana. Especialmente quando de longa duração e com intensidade moderada ou grave, a depressão pode se tornar uma séria condição de saúde. (http://www.paho.org)

Considerando a leitura dos textos motivadores, os fatos propostos pela OMS e as reflexões a respeito da depressão como uma doença em ascendência do século vigente, produza uma dissertação argumentativa, na norma-padrão da língua portuguesa, defendendo a importância da atuação médica como facilitadora do convívio humano e como referência fundamental para a diminuição da depressão no mundo por meio de cuidados providos por ele e demais profissionais de saúde, especialistas ou não em saúde mental.
Redação Modelo

Pilares
No despontar da contemporaneidade, a industrialização fordista do sistema de saúde, traz consigo o afastamento das relações médico-paciente tornando essa uma das causas da persistência da depressão como transtorno mental de maior ocorrência nos homens coevos. Essa verdade induz uma reflexão: a importância da atuação dos vocacionados da saúde como ponte entre a convivência harmônica e o bem-estar do paciente, bem como a caracterização de habilidades médicas como referência de cuidado para a diminuição da depressão.
A indústria da saúde segue uma linha fordista de assistência em massa. Nesse sentido, os pacientes tornam-se apenas números dentro de metas a serem cumpridas. Entretanto, para que essa realidade não seja elemento indutor da doença, os vetores da saúde - das escolas médicas até os hospitais - devem promover uma relação de confiança, que proporcione conversas abertas sobre depressão, visando a sua prevenção ou seu possível tratamento. Dessa forma, o perito em saúde pode - assim como Augustos confortou Hazel Grace - confortar os sentimentos dos enfermos macambúzios.
"Não permitirei que concepções racionais, nacionais, religiosas, partidárias ou sociais intervenham entre meu dever e meu paciente". Partindo desse princípio, a vontade de cuidar do egresso de medicina, e a busca pela diminuição da dor, respeitando a autonomia e integridade do adoentado, é indispensável na prática de uma medicina complementar. Isso porque, além das habilidades técnico-científica, o profissional deve saber ouvir, acolher e cuidar, de forma que o cuidado ultrapasse a dimensão biológica do doente, e a rotineira prescrição de antidepressivos, e seja capaz de compreender o ser nas suas angústias, medos e incertezas. Portanto, cabe ao médico honrar seu juramento e promover o bem-estar biopsicossocial na cura ou prevenção da depressão.
Isto posto, o resgate da medicina humana e ágape é a chave é a chave para que a depressão não ultrapasse as barreiras do cuidar. Seguindo essa linha, é necessário que as Escolas de Medicina incluam na sua matriz curricular não somente o saber teórico, mas, em matérias como psicologia médica, ensinem o saber dialogar e respeitar os limites do paciente de forma que essa relação conceda um sentimento de positivo para ambas as partes. Assim, a medicina transcenderá o curar ao se aplicar na perspectiva da arte do cuidar, e o vocacionado da saúde terá por trás do jaleco branco, a referência de altruísmo e resiliência como pilares para diminuição da depressão, exercendo holisticamente sua profissão. (Felipe Araújo)


                       Herdeiros de Hipócrates
A medicina transcende o curar quando aplicada na perspectiva da arte do cuidar. Essa verdade Hipocrática enseja uma reflexão: a importância da humanidade nos vocacionados da saúde como ponte entre a convivência harmônica e o bem-estar do paciente, bem como as habilidades fundamentais para a pratica da medicina integrativa e complementar que combatem diretamente a depressão, doença a qual está em ascendência no século vigente.
No limiar do século XXI, com a democratização das informações, a relação médico-ativo e paciente-passivo perdeu lugar para uma aliança terapêutica positiva para ambas as partes. No entanto, a figura do médico como orientador do seu paciente sobre as causas e consequências das suas escolhas é de fundamental importância na conjuntura da medicina paliativa, na eminência de prevenir e tratar doenças psicoativas que afetam pessoas de qualquer faixa etária e levam a graves quadros depressivos. Partindo dessa premissa, através da multidisciplinaridade da saúde o indivíduo poderá construir uma autoimagem real e positiva e, a partir disso, tenha condição de se responsabilizar de forma consciente por seu próprio corpo e mente, evitando assim debruçar no abismo do isolamento e baixa autoestima ocasionada pelo mundo marcado por relações cada vez mais fluídas. Dessa forma, a opinião do paciente sobre os procedimentos aos quais seu próprio corpo é sujeito de nada serve se não houver uma integridade mental do enfermo que possibilite tal consciência, a qual, esta fundamentalmente ligada aos cuidados providos pelo profissional de saúde.
“Não permitirei jamais que questões religiosas, nacionais, partidárias ou raciais intervenham entre meu dever e meu paciente”. Partindo desse princípio, a humanidade do egresso de medicina e o saber reconhecer seus limites, respeitando - em primeira linha - o bem-estar do assistido, contemplando a substituição da dor pela anestesia e a transformação do curandeiro barroco pela amnesia, possibilitando que o ser humano entenda que o médico mais do que promover a possibilidade da cura posiciona-se como crucial propulsor do bem-estar psicossocial. Isso por que, além das habilidades técnico-cientificas, o profissional deve saber ouvir, acolher e cuidar, bem como ultrapassar o horizonte das barreiras biológicas do enfermo e ser capaz de orientá-lo diante das suas angústias e medos. Portanto, cabe ao médico honrar seu juramento e proporcionar o bem-estar biopsicossocial fundamentando-se principalmente no respeito a uma medicina com base complementar.
O entendimento da medicina terapêutica, portanto, garante a eficiência dos procedimentos medicinais em virtude da arte do cuidar sobre o pilar da afetividade. No cenário da medicina, entende-se que a função dos herdeiros de Hipócrates pressupõe a empatia e prevenção. Assim sendo, compreender as renovações dos valores sociais exige exatidão médica nos procedimentos práticos e, fundamentalmente, afetivos, para validar o profissionalismo e, a cima de tudo, garantir o ethos da cura. A conquista dessa cognoscibilidade se dará pela parceria Estado e Escola na criação de projetos educacionais voltados para fundamentos holísticos na formação dos acadêmicos de saúde. (José Ramiro Ferreira)







[1] Lembre-se das camadas da redação, portanto, além de responder ao tema tente referências de Van Gogh/ Machado de Assis e Clarice Lispector para lembrar da primeira fase.