domingo, 17 de março de 2013

Interpretação de Texto e Tema de Redação da obra o Pequeno Príncipe

Leia o texto abaixo para responder às questões de 1 a 8.
(...)
E foi então que apareceu a raposa:
- Bom dia, disse a raposa.
- Bom dia, respondeu polidamente o principezinho que se voltou, mas não viu nada.
- Eu estou aqui, disse a voz, debaixo da macieira...
- Quem és tu? Perguntou o principezinho. Tu és bem bonita.
- Sou uma raposa, disse a raposa.
- Vem brincar comigo, propôs o príncipe, estou tão triste.
- Eu não posso brincar contigo, disse a raposa.
Não me cativaram ainda.
- Ah! Desculpa, disse o principezinho.
Após uma reflexão, acrescentou:
- O que quer dizer “cativar”?
- Tu não és daqui, disse a raposa. Que procuras?
- Procuro amigos, disse. Que quer dizer cativar?
- É uma coisa muito esquecida, disse a raposa. Significa “criar laços...”
- Criar laços?
- Exatamente, disse a raposa.
- Tu não és para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens necessidade de mim. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim o único no mundo. E eu serei para ti a única no mundo...
Mas a raposa voltou à sua ideia:
- Minha vida é monótona. E por isso eu me aborreço um pouco. Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei o barulho de passos que serão diferentes dos outros. O dos outros me faz entrar debaixo da terra. O teu me chamará para fora como música. E depois, olha! Vês, lá longe, o campo de trigo? Eu não como pão. O trigo para mim é inútil. Os campos de trigo não me lembram coisa alguma. E isso é triste! Mas tu tens cabelo cor de ouro. E então será maravilhoso quando me tiverdes cativado. O trigo que é dourado fará lembrar-me de ti. E eu amarei o barulho do vento no trigo...
A raposa então se calou e considerou muito tempo o príncipe:
- Por favor, cativa-me! Disse ela.
- Bem quisera disse o príncipe, mas eu não tenho tempo. Tenho amigos a descobrir e mundos a conhecer.
- A gente só conhece bem as coisas que cativou, disse a raposa. O homem não tem tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm mais amigos. Se tu queres uma amiga, cativa-me! Os homens esqueceram a verdade, disse a raposa.
E continuou:
- Mas tu não deves esquecer. “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”.
Autoria de Antoine de Saint-Exupèry - retirado do livro “O Pequeno Príncipe”

1. (UFSCAR) Segundo a explicação da raposa, assinale a alternativa que tem o mesmo sentido de “cativar”.
a) Ficar triste quando alguém vai embora.                                 b) Convencer alguém a fazer algo.
c) Lembrar-se de alguém quando estiver triste.                      d) Esquecer-se de alguém.                             e) Tornar-se amigo de verdade de alguém.

2. (UFSCAR)No conjunto do texto percebe-se que o seguinte trecho: “O dos outros me faz entrar debaixo da terra. O teu me chamará para fora como música” faz referência
a) ao sol.        b) ao barulho dos passos.          c) ao aborrecimento.       d) à amizade.              e) à vida.
3. Em um texto as palavras podem ser usadas com o seu significado literal: o significado do dicionário. Algumas vezes podemos usar palavras com seu sentido figurado ao invés de seu sentido literal, ou seja, o sentido do termo no texto se relaciona indiretamente com o sentido literal.
Das alternativas abaixo, assinale aquela que possui um termo que foi usado com sentido figurado.
a) Serás para mim o único no mundo.       b) Vem brincar comigo, propôs o príncipe...
c) Minha vida é monótona...                       d) mas eu não tenho tempo...                                e) os homens não têm mais amigos
4. Ao final deste trecho, percebe-se que
a) o pequeno príncipe tornou-se amigo da raposa.
b) a raposa não se permitiu ser amiga do pequeno príncipe.
c) a raposa não cativou o pequeno príncipe.
d) o maior desejo do pequeno príncipe era ser amigo da raposa.
e) o pequeno príncipe considerou a raposa chata e não quis ser amigo dela.

5. (UFMG – Física) O Pequeno Príncipe, do livro de mesmo nome, de Antoine de Saint-Exupéry, vive em um asteróide pouco maior que esse personagem, que tem a altura de uma criança terrestre. Em certo ponto desse asteróide, existe uma rosa, como ilustrado nesta figura:
Após observar essa figura, Júlia formula as seguintes hipóteses:
I) O Pequeno Príncipe não pode ficar de pé ao lado da rosa, porque o módulo da força gravitacional é menor que o módulo do peso do personagem.
II) Se a massa desse asteróide for igual à da Terra, uma pedra solta pelo Pequeno Príncipe chegará ao solo antes de uma que é solta na Terra, da mesma altura.
Analisando-se essas hipóteses, pode-se concluir que
a    a)       Apenas a I está correta.  b) apenas a II está correta.  c) as duas estão corretas.  d) nenhuma das duas está correta.

Proposta de Redação I
A Obra O Pequeno Príncipe já vendeu mais de 6 milhões de exemplares e ocupa-se de narrar a história de um principezinho originário do asteroide B612 que é encontrado pelo alter ego do escritor francês Saint-Exupéry. Esse menino e o nosso narrador faz interferências pontuais sobre o que "gente grande".
Com base na leitura do livro e nos seus conhecimentos de mundo escreva um texto dissertativo argumentativo sobre as vivências e valores dos homens tomando como base o conceito de cativar, ensinado pela raposa.




Proposta de redação II
Antoine de Saint-Exupéry escreveu O Pequeno Príncipe, que teve repercussão mundial. É um livro, a princípio, voltado para o público infantil, mas que, pelo vasto conteúdo e riqueza de lições, acabou sendo aderido como leitura pelos adultos também. O autor deixa bem claro sua visão sobre os adultos ou as pessoas grandes como usa na referida obra: aqueles que não conseguem enxergar o importante como verdadeiro, mas somente aquilo que é bom materialmente.
Você concorda com o autor? Escreva um artigo de opinião onde fique claro se sua visão é contrária ou igual a do narrador.




Proposta III

A obra o Pequeno Príncipe é produzida com base em muitas simbologias. Com base na interpretação da simbólica desse texto escreva um texto dissertativo argumentativo sobre o assunto:

E se o planeta é pequeno e os baobás numerosos, o planeta acaba rachando. "É uma questão de disciplina, me disse mais tarde o principezinho. Quando a gente acaba a toalete da manhã, começa a fazer com cuidado a toalete do planeta. É preciso que a gente se conforme em arrancar regularmente os baobás logo que se distingam das roseiras, com as quais muito se parecem quando pequenos. É um trabalho sem graça, mas de fácil execução."
E um dia aconselhou-me a tentar um belo desenho que fizesse essas coisas entrarem de uma vez na cabeça das crianças. "Se algum dia tiverem de viajar, explicou-me, poderá ser útil para elas. às vezes não há inconveniente em deixar um trabalho para mais tarde. Mas, quando se trata de baobá, é sempre uma catástrofe. Conheci um planeta habitado por um preguiçoso. Havia deixado três arbustos. . .








Nenhum comentário: